João 3.16

Campina Grande, 20 de agosto de 2017  ·  Escrito por Grupo Vida

Por Juliana Toledo

Graduada da Escola de Missões Rhema

Certa vez, no pico de uma montanha em um país tão, tão distante; uma mulher contemplava a paisagem maravilhada. A brisa do mar soprava em seu rosto enquanto a vista verde e azul pintava em seus olhos o mais belo quadro real que a mesma já havia visto. De repente, o singelo momento foi interrompido por uma pequena menina que viajava com ela. A menininha sorriu para a mulher e afirmou: “Deus é tão bom né? Olha como é lindo o que Ele criou”. Ela era uma adolescente com seus 14/15 anos. Aos 9 anos, havia sido abusada pelo padrasto diversas vezes; até que, um dia, foi socorrida quase sem vida e sem ter como andar e levada para uma casa de abrigo. A afirmação da pequena, levou a mulher na montanha a retirar sua contemplação da paisagem e fixar na pequenina que ali falava com ela. “Realmente, Deus é muito bom”, respondeu a  mesma; pensando não apenas na criação, mas, naquele instante, compreendendo de fato, o amor de Deus pelo mundo. Um amor que O faz mover pessoas, fazer o possível e impossível por uma única vida. Amor capaz de restaurar completamente uma menina destruída e inútil para uma cultura, tornando-a frutífera para dar outros frutos, alcançar e amar a outros.

Essa história me leva ao coração do Pai. Quando imagino a menina, penso em quantas pessoas neste mundo estão precisando de socorro, ajuda e transformação. Lembro-me dos refugiados sem nação, sem casa e carregando traumas tão profundos. Penso nos moradores de rua, aqueles por quem passamos quase todo dia, e nos conformamos com as suas situações. Lembro dos que estão nos hospitais, crendo, suplicando com medo da morte. E daqueles que estão no sertão, nos quilombos ou nas aldeias indígenas; nos lugares que nem imaginamos que pode existir uma casa. Pessoas que vivem de maneira simples, são felizes como podem, todavia, ainda assim, precisam tanto da salvação, da verdadeira alegria e provisão que só o Senhor pode dar.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

(João 3.16)

Cada um desses, está no coração do Senhor. Cada um deles, move o nosso Pai. O faz chamar, equipar e transformar pessoas, para que as mesmas também transformem. Ele nos ensina que podemos mover montanhas, para assim, chegarmos aos lugares mais remotos. Rotas sem CEP, fora dos GPS`s mais modernos, onde ninguém viu, ouviu, ou soube que existe um salvador. Quando leio João 3:16, penso na Mulher e a Menina no penhasco. Onde Deus pode nos levar para alcançar apenas uma vida? Será que estamos dispostos a ir?

Não sei você, mas eu não quero viver de maneira comum. Me recuso a ignorar as batidas do coração de Deus. Quero fazer a diferença na vida de outros, dar de graça aquilo que recebi de graça. Ser resposta, socorro, ajuda. Ser Jesus na vida de alguém, nas coisas mais simples.

O meu mandamento é este: Amem-se uns aos outros como eu os amei.
João 15.12

Se Deus lhe mandar ir, não perca tempo. Contudo, Ele sabe em qual lugar você se encaixa melhor. Ele sabe como você pode representá-lo no seu dia-a-dia. O que estou dizendo é: Esteja disposto a ir para as perigosas florestas australianas, alcançar os aborígenes selvagens; mas também, esteja disposto e ser reposta para quem está do seu lado agora. Aquele idoso que senta perto de você no ônibus. Uma pessoa que você só poderia alcançar pelas redes sociais; através de uma mensagem, áudio ou imagem. Abdique do seu tempo para abraçar um morador de rua na praça, ou, se tem nojo, apenas tome tempo para conversar com o mesmo, dar atenção. Deixe que aqueles meninos maltrapilhos lavem os vidros do seu carro por aquelas míseras moedinhas. E, se possível, abençoe o dia deles, sorria, esqueça um pouco de si mesmo e como seu carro ficará com o vidro manchado e participe do pão que vai alimentar 10 irmãos ou filhos naquela noite.

Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento.
Mateus 22.3

Que a cada dia, possamos escutar as batidas do coração de Deus, estar atentos àquilo que faz o Seu coração `chorar`. Mais conscientes da presença do Espírito Santo e trabalhando em parceria com o mesmo, para ir aonde ele sabe que existe uma vida sedenta, necessitada ou a quem está apenas esperando a Sua visitação. Que estejamos atentos a dor dos outros; tenhamos empatia com aqueles que nos cercam. Que nosso olhar para cada pessoa seja o de Jesus. Nossos pensamentos, puros como o dEle e, nossas ações, carregadas de amor e compaixão como deve ser. Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor para que o nosso cotidiano se torne, verdadeiramente, o viver dEle em nós.

Comentários